sábado, 18 de março de 2017

O mundo onde quero ser

Este não é o mundo onde quero ser. É o mundo de onde quero fugir. Este não é o mundo que eu vi, no futuro, à minha espera. Não é o mundo das histórias que me contaram e leram. Não é o mundo que me prometeram. Agora percebo quando diziam que o bom da vida é não saber o que ela é. Este mundo, este espaço de sôfregos e âmagos, este espaço de desespero e dor, de pranto e angústia, em nada se assemelha com aquilo de que sempre me falaram ao referirem-se a isto. Se isto é a realidade nua e crua tragam-ma vestida e cozida, por favor. Assim, dispenso-a. 
Dá-me a tua mão. És tu ou todas as minhas inseguranças. És tu ou todo o meu mundo repugnante. És tu. O escape único de um mundo que não é o mundo onde quero ser. Conforto é uma palavra cara e díficil de encontrar. Dá-me o teu abraço. Prende-me no teu abraço. Os teus braços são a única armadura que me faz sentir forte e capaz de enfrentar o resto. O teu abraço é conforto, é segurança, é calma e felicidade. Não há mais nada assim para mim. Não há mais nada que me seja precisa, por agora. Dá-me a tua mão e vem escutar comigo as baladas que nos ensinaram a amar. Dá-me a tua mão e despede-te de receios. Se me deres a tua mão, prometo mostrar-te um mundo que é o mundo onde quero ser. 
Quero ser num mundo de racionalidade, repleto de falhas e surpresas. Quero ser onde possa ser o meu ser com os meus defeitos que me esforçarei por amenizar e com as minhas qualidades que farei por manter. Quero ser onde, de uma forma ou de outra, tudo tenha solução. Quero ser a poesia acesa de uma vida desejada, quero ser o fado da saudade, as palavras da sinceridade. Quero ser o corpo do pecado, cometido a dois. Quero ser num mundo imperfeito, mas racional, isento de utopias, mas vivido. Então, dá-me a tua mão, e leva-me no teu abraço numa viagem pelo mundo onde quero ser. Prometo não fugir.  

sexta-feira, 10 de março de 2017

Abastança de Identidades

O que é isso de crise de identidade? Nada para mim. Nunca me vi isenta de uma identidade. Na verdade, sempre senti que as tinha em demasia. Não se pense, pois, que ter uma abastança de identidades é melhor que uma crise. Ter uma abastança de identidades é querer ser tudo e saber que desse tudo apenas se pode ser um. De todas as identidades que vemos como nossas e que sentimos em nós, apenas podemos abraçar uma. Numa crise de identidade, não sabemos quem somos e isso pode levantar tristeza e até frustração. Porém, numa abastança de identidades existe a tristeza e a frustração de sabermos quem somos e de sabermos que não podemos ser tudo o que somos. Se numa existe a dúvida, o desespero, a ânsia de se querer saber quem se é, na outra existe a revolta e a insatisfação por não se poder ser tudo o que se é. As crises de identidade tendem a passar quando as pessoas se resolvem e encontram finalmente aquilo que são. A abastança de identidade nunca passa, é algo que nos acompanha sempre ao longo de toda a vida, porque nuns momentos somos uma parte daquilo que somos e noutros momentos somos outra parte, porém, há sempre algo que nos impede de sermos sempre tudo aquilo que realmente somos. É grave viver numa abundância de identidades. É grave e penoso. Aqui, não há caminhos para encontrar, há caminhos para eliminar. E para ganhar estamos sempre preparados, porém, para perder não há forma de apaziguar a tristeza de ver ir aquilo que tanto queríamos ver ficar. Numa abastança de sonhos, é fácil. Sabemos que temos de nos desfazermos de uns, para podermos fazer outros. É um desaponto que cai no esquecimento com o passar do tempo, ou que nos acompanha a vida toda, mas, pelo menos, acompanha sempre a mesma identidade. Numa abastança de identidades, nunca vamos saber como será o nosso futuro, sabemos como gostaríamos que fosse, sabemos tão bem quem somos!, e sabemos simultaneamente que não podemos ser tudo o que somos. E o pior de tudo é que, no fundo, a frustração de não se saber que parte de nós escolher para ser, a desilusão de não se poder ser por inteiro, é bem capaz de nos poder enviar para uma crise de identidade.